Quando você terminar de ler isto, milhares de campanhas de marketing digital terão sido lançadas

O mundo é totalmente digital e nós apenas vivemos nele. Passamos de anúncios em jornais e outdoors a banners de mídia social e eventos online. Considerando que você teria dificuldade para encontrar algo que não fosse vendido online, era apenas uma questão de tempo até que o marketing e a publicidade também se tornassem digitais. 

Independentemente do setor em que estejam ou de qual seja sua função, todos estão envolvidos ou são impactados por alguma forma de marketing digital ou serviços de marketing digital em algum momento de suas vidas. Se você tem um site, canais de mídia social, um blog ou envia e-mails, você faz marketing digital. As pessoas estão cada vez mais à vontade para usar a Internet e tudo o que ela tem a oferecer. Então, por que não aproveitar isso para fortalecer sua presença digital? 

Vamos mergulhar no mundo do marketing digital e em tudo que você precisa saber para estar um passo à frente da concorrência.

O que é marketing digital?

O marketing digital compreende esforços de marketing e publicidade que são criados e distribuídos por meio de canais digitais, como mídia social, sites, e-mail, mecanismos de pesquisa, dispositivos móveis ou aplicativos móveis. O marketing digital é uma mistura de esforços pagos, como anúncios digitais e campanhas de mídia social, e esforços orgânicos, como vídeos e podcasts.

Qualquer esforço de marketing online pode cair sob o amparo do marketing digital. Apesar de ser mais recente do que outros esforços de marketing, o marketing digital se tornou uma grande parte do que impulsiona o marketing. 

À medida que a Internet continua a evoluir, o marketing digital continuará a crescer. Na década de 2000, as empresas flertaram com a ideia do marketing digital. Com a mídia social avançando na década de 2010, o marketing digital se tornou uma estratégia mais ambiciosa a ser adotada. Hoje, todo mundo está fazendo isso. Não é de admirar que o marketing digital seja usado de forma intercambiável com o termo marketing na Internet . 

Espera-se que os especialistas em marketing de hoje demonstrem algum nível de compreensão do marketing digital. Arranhamos a superfície do marketing digital, mas ainda há muito para explorar e aprender.

Importância do marketing digital

Para vender algo, você precisa saber onde está o mercado.

Com a maioria das empresas adquirindo seus clientes potenciais online, faz sentido concentrar os esforços de marketing online também. No entanto, o marketing digital é mais do que apenas um método de marketing feito online. É uma forma de marketing precisa e baseada em dados que qualquer empresa deve levar a sério.

O marketing digital abrange várias áreas, e cada vez mais empresas investem em marketing para confeitaria, marketing para beleza e vários outros segmentos.

Aqui estão algumas razões pelas quais o marketing digital é essencial para atender aos requisitos modernos de marketing empresarial.

Aumentando seu alcance

O mundo digital não tem fronteiras. 

Clientes em todo o mundo terão problemas semelhantes ou estão procurando uma solução. Se sua empresa pode atender a essas necessidades, é uma excelente oportunidade de mercado para se envolver com eles.   

Com a ajuda do marketing digital, as empresas podem alcançar clientes potenciais de qualquer parte do mundo e fazer negócios com eles. É uma excelente forma das empresas se internacionalizarem sem pisar fisicamente em solo estrangeiro. Hoje, a internacionalização se tornou possível para pequenas empresas no Instagram que podem enviar produtos de varejo para diferentes países que têm ressonância com seus produtos.  

Por outro lado, o marketing digital também aumenta seu alcance dentro de uma região geográfica específica. Por exemplo, um outdoor ou flyer é visível em um raio de três quilômetros, mas um banner no Google pode ser visto por uma cidade, estado ou um país inteiro.

Almejando o conjunto certo de pessoas

O marketing pode ser caro. As campanhas pagas exigem muito planejamento, pois há um orçamento limitado alocado. É aqui que a segmentação se torna crucial para anunciantes e profissionais de marketing. 

Você poderia lançar campanhas mais amplas com apenas alguns filtros demográficos, mas isso não significa que obterá mais resultados na campanha. Por exemplo, sua empresa pode estar vendendo sorvete vegano sem açúcar. Você poderia definir a campanha para adultos na faixa etária de 18 a 60 anos que vivem no sul do Brasil, mas quantas pessoas nesse grupo demográfico comprariam seu produto? 

O marketing digital permite que as equipes de marketing tenham como alvo os clientes com base em seus interesses, nível de conhecimento e detalhes demográficos. Esses pontos de dados são obtidos por meio de pesquisas e uso dos usuários na Internet e das informações que eles divulgam nas redes sociais. Os profissionais de marketing podem criar uma persona de comprador abrangente a partir dessas informações e promover campanhas vistas pelo conjunto certo de pessoas. Com esses dados, o retargeting também é possível, permitindo que os profissionais de marketing reenviem os leads perdidos para o ciclo de marketing.

Se voltarmos ao exemplo do sorvete, sua buyer persona diz a você que os clientes em potencial ideais são veganos na casa dos 20 ou 30 anos, que residem em cidades metropolitanas como Curitiba. Concentrar os gastos de sua campanha nesse grupo demográfico oferece um melhor retorno sobre o investimento (ROI) em sua campanha e você obtém leads com uma chance muito maior de conversão.  

Usando personalização para persuasão

Ser capaz de atingir o conjunto certo de pessoas também significa que há dados de público disponíveis ao seu alcance. Uma ideia aproximada do que o público-alvo queria foi esboçada no marketing tradicional e uma campanha de marketing padrão seria distribuída de acordo. Com o advento do marketing digital, os dados de cada indivíduo são contabilizados e podem gerar insights inestimáveis.

Pegue um serviço de compartilhamento de carona como o Uber. A declaração do problema é: fornecer transporte em qualquer lugar a qualquer hora. 

Embora isso soe verdadeiro para quem procura uma carona, as motivações das pessoas para usar esse serviço podem ser muito diferentes. Por exemplo, talvez alguém vivesse em uma cidade movimentada e nunca precisou aprender a dirigir ou tirar uma licença. Outro pode ser um cidadão idoso que não enxerga bem, mas quer fazer viagens regulares para ver os netos que moram na cidade.

A coleta de dados de clientes pode ajudar empresas como a Uber a criar diferentes textos de anúncios, campanhas ou mensagens personalizadas que atinjam seu público-alvo com a quantidade certa de impacto positivo. Obviamente, a quantidade de dados coletados pode ser imensa, mas, felizmente, as plataformas de dados do cliente podem ajudar os profissionais de marketing a reunir e segmentar as informações em personas selecionadas.    

Criando impacto sem comprometer o orçamento

A beleza do marketing digital é como ele é imparcial em relação a qualquer empresa. Sua empresa pode ser uma startup ou uma empresa gigante espalhada por diferentes continentes, mas as regras ainda seriam as mesmas. 

Com o marketing tradicional, a criatividade e a pesquisa percorrem um longo caminho. Mas a regra tácita é que “aquele com bolsos mais fundos vê resultados mais amplos”. Os outdoors e os anúncios na TV são caros. Uma empresa menor não pode competir com uma empresa maior simplesmente porque não tem dinheiro para isso. 

É aqui que o marketing digital iguala o campo de jogo.

Publicar um anúncio online ainda custa dinheiro, mas custa uma banana em comparação com uma campanha nacional de televisão. Com canais online e plataformas digitais, uma pequena empresa que começou em uma garagem em algum lugar pode ter uma classificação melhor do que um conglomerado gigante, desde que seu jogo de marketing digital seja forte. 

As pessoas se tornaram proficientes na criação de perfis sociais e no uso de hashtags, sabendo os melhores horários do dia para postar e falando a língua de seu público-alvo. Você não precisa de muito dinheiro para dominar essas táticas; você só precisa entender bem o marketing digital.

Medindo seu impacto em tempo real

Você tem um outdoor em uma rodovia. Como você mede sua eficácia ou desempenho? Você pode argumentar que, por ser uma via movimentada, muitos olhos estão voltados para o seu anúncio.

Mas seu outdoor não é o único que existe, certo? Quais são as chances de alguém ter visto outro outdoor e não o seu? Uma questão maior seria: se alguém viu seu outdoor, quantos deles foram convertidos a comprar seu produto ou realizar alguma ação? Quais foram os resultados do outdoor?

Com o marketing digital, todas essas perguntas e muito mais são respondidas. Tudo online é quantificável. Cada clique, cada comentário e cada conversão são contabilizados. Os canais de marketing digital rastreiam as taxas de engajamento de cada postagem ou anúncio que uma empresa publica. Este é um excelente insight para saber quais campanhas de marketing digital tiveram bom desempenho e quais não atingiram o objetivo.  

Também esclarece a origem de onde se originam os leads ou novos clientes. Adicionando parâmetros do Módulo de rastreamento (UTM) que ajudam a rastrear melhor cada conversão e sua origem; seja em uma página de destino, postagem em mídia social, referência ou resultado de mecanismo de pesquisa, os parâmetros UTM oferecem melhor visibilidade aos profissionais de marketing digital sobre o desempenho de cada campanha online. Saber a fonte ajuda as equipes de marketing a identificar quais canais funcionam melhor para eles e a concentrar a maior parte de seus esforços neles.  

Além de saber quais canais funcionaram melhor para uma campanha específica, rastrear e monitorar o movimento de um lead antes que ele chegue ao ponto mais elevado de sua jornada como cliente é crucial para os profissionais de marketing. Uma batalha típica que as equipes de marketing enfrentam é se os esforços de marketing ou vendas convertem um cliente potencial. O marketing digital fornece todos os dados necessários para mostrar como um lead foi nutrido, por quanto tempo e se o fechamento pode ser atribuído total ou parcialmente aos esforços de marketing.

Tipos de marketing digital

O marketing digital engloba várias divisões individuais dentro do marketing. Uma empresa pode não ter todas as divisões associadas ao marketing digital, mas isso não significa que não esteja buscando uma estratégia de marketing digital. Normalmente, uma combinação de diferentes tipos de marketing digital permite resultados ideais.

Vejamos alguns tipos de marketing digital que as empresas usam como parte de sua estratégia de marketing.

Sites

Das páginas simples baseadas em texto do final dos anos 90 às páginas interativas de hoje que parecem mais realistas do que nunca, os sites percorreram um longo caminho.

Um acéfalo, os sites são o primeiro passo para o mundo digital das empresas. Elas não devem ser confundidas com as páginas iniciais, uma tela introdutória que saúda os visitantes antes que eles acessem a página inicial do site. Um site é onde o público-alvo começa a interagir com a empresa, indicando que existe algum interesse pelo seu produto e serviço.

Os sites são trabalhadores ocupados. É responsável por construir o conhecimento da marca, gerar interesse, educar os visitantes e converter clientes em potencial. É importante observar que cada um desses objetivos é grande o suficiente por si só e requer foco individual; um site inteiro tem que carregar toda essa carga ao mesmo tempo que parece atraente e interativo.

É por isso que projetar e desenvolver um site sólido é vital para qualquer empresa na era digital. Um bom design de site não apenas causa uma ótima impressão nos usuários da Internet, mas também deve ser atraente o suficiente para que o visitante se detenha e execute uma ação na página.

Embora os sites sejam mais um meio do que um processo de marketing digital, eles ainda devem ser considerados estratégias essenciais de marketing digital. Isso é verdade até hoje, com tantas empresas reformulando constantemente seus sites.

Aqui estão duas coisas que as empresas erram ao conceituar e projetar um site para seus negócios:

1. Não tendo uma mensagem clara

Um bom site deve exibir : Construir Conscientização , Ressonar com o público e Educar os visitantes. As mensagens unem todos os três elementos para criar o máximo impacto em um indivíduo. No entanto, se sua empresa não tiver certeza das mensagens, como você espera que seus clientes em potencial entendam suas ofertas?       

Por exemplo, um parque de diversões deve ser um destino divertido com atrações legais. Mas se os panfletos anunciarem uma atração de museu em vez dos passeios, o público-alvo (crianças entre 6 e 14 anos) ficará confuso e não gostaria de ir a tal lugar.

Por outro lado, as empresas que continuam tentando perseguir os buzzwords do setor terão sites que nunca terão longevidade. Esses são os tipos de organizações que têm vários projetos de renovação de sites em um ou dois anos. Isso geralmente acontece quando as partes interessadas não chegam a um acordo sobre uma mensagem central e fazem malabarismos com muitas coisas simultaneamente. 

Estabelecer a mensagem certa logo no início elimina a necessidade de qualquer confusão, mantém a consistência e leva a um melhor recall da marca para o público.

2. Fazendo a página inicial soar como uma apresentação de vendas

Um dicionário pode substituir um livro? Ambos têm palavras e páginas, então por que não?

Há uma razão pela qual as apresentações de vendas não podem substituir um site. Supõe-se que um incentive as pessoas a converterem , enquanto o outro mostre o que está disponível e o que a empresa faz.  

Um produto ou serviço se destina a resolver um problema. Os clientes são inteligentes o suficiente para descobrir o que precisam. Portanto, seu site deve dizer: “Entendemos que esse é um problema que você está enfrentando e aqui está o que temos para combatê-lo.” Isto pode parecer semelhante ao que um passo de vendas soaria como, mas não é uma diferença.  

Qualquer boa apresentação de vendas é baseada na história . Uma história é construída em torno da perspectiva de que o negócio é envolvente. Tabelas de comparação, gráficos e estatísticas são todos elementos em uma apresentação de vendas.  

Isso não significa que os sites não possam ser orientados por histórias. Eles podem. A questão é: de quem é a história que você vai contar? Os usuários da Internet que visitam um site têm origens diferentes e têm necessidades e problemas variados que precisam ser resolvidos. Mesmo que uma empresa atenda a vários setores, vários perfis de usuários exclusivos em cada setor precisam ser considerados. Não é possível mesclar dezenas de buyer personas diferentes para caber em uma cópia padrão de um site.

Mantenha o site relacionado a um público maior. Qualquer coisa muito específica pode ser abordada em uma apresentação de vendas ao interagir com clientes em potencial ou por meio de conteúdos como white papers, cases de sucesso, vídeos e e-books.

Marketing de conteúdo

Se o marketing fosse um corpo humano, o conteúdo seriam os carboidratos que alimentam todo o sistema.

A mídia digital só se tornou mais proeminente com o passar dos anos. Com a internet se tornando muito mais acessível do que nunca, os usuários da web encontraram canais para criar, postar e compartilhar seu conteúdo. Como resultado, há muita informação sendo produzida e crescendo a cada minuto.

Quando as pessoas pensam em marketing de conteúdo, o blog é a primeira coisa que vem à mente. Embora os blogs tenham conteúdo em sua forma mais tradicional, o marketing de conteúdo não se limita a isso. Ao contrário da crença comum, o marketing de conteúdo é mais do que apenas conteúdo escrito. 

Em vez disso, o marketing de conteúdo é uma função de marketing dinâmica responsável por educar o público, construir consciência, gerar leads e aumentar o alcance e a lembrança da marca de uma empresa. Da copy do site aos estudos de caso que destacam a eficiência de um produto, o marketing de conteúdo forma o núcleo de qualquer estratégia de marketing ou publicidade. 

As empresas precisam descobrir qual o tipo de conteúdo está sendo mais consumido atualmente por seu público-alvo. Por exemplo, seus clientes em potencial preferem ler ou gostam de conteúdo de vídeo? 

Os tipos de conteúdo também dependem de qual estágio do funil um cliente em potencial está atualmente. Por exemplo, se um visitante não tem conhecimento prévio de um negócio e está na fase exploratória de seu processo de compra, ele precisará do conteúdo topo do funil (TOFU) . Exemplos de conteúdo TOFU incluem blogs, vídeos, postagens em mídias sociais, infográficos e imagens.    

Se o visitante tem interesse em saber mais sobre a empresa e está em fase de avaliação do processo, ele precisa de conteúdo do meio do funil (MOFU). O conteúdo MOFU é mais técnico do que o conteúdo TOFU, com recursos como whitepapers, resumos de soluções, módulos de produtos, eBooks, guias do comprador e pesquisas sendo fornecidos neste estágio.    

Por fim, se um lead estiver em processo de conversão em cliente e no estágio de decisão , ele precisará de conteúdo no fundo do funil (BOFU). O conteúdo do BOFU é extremamente centrado na empresa, uma vez que esta é a fase em que os clientes em potencial precisam ser vendidos nas ofertas de negócios da organização. O conteúdo do BOFU inclui demonstrações, estudos de caso, webinars sob demanda, anotações do orador em um evento, avaliações gratuitas ou tutoriais e gráficos de comparação. 

Marketing de conteúdo - Funil do marketing

Aqui estão cinco exemplos de marketing de conteúdo sendo utilizado nas operações comerciais diárias e seu impacto:

1. Blogs

Quem disse que os blogs morreram provavelmente não acredita em marketing também.

Além de serem centros de informações, blogs ou artigos também podem fornecer algumas das melhores oportunidades de classificação nas páginas de resultados de mecanismos de pesquisa (SERPs). Isso ocorre porque quanto mais conteúdo uma empresa tiver, melhor será sua visibilidade online.     

Isso não significa que despejar muito conteúdo sem objetivo ou razão ajudará. O marketing de conteúdo não é tão simples. Existe uma estratégia envolvida que surge de uma pesquisa exaustiva. 

As empresas que procuram blogs precisam manter estas coisas em mente:

  • Primeiro, analise o que está bem classificado atualmente e observe que tipo de conteúdo está sendo criado.
  • Entenda quais tópicos são populares e ainda são relevantes para a empresa (Forçar a adaptação de um tópico viral não funcionará.)
  • Identifique lacunas de conteúdo online que outras pessoas ainda não cobriram extensivamente. Novamente, essas são boas oportunidades de alavancagem.
  • Quanto tempo os usuários gastam em cada conteúdo? Avalie se sua empresa deve buscar conteúdo de formato longo ou curto.

Os blogs são criados principalmente para aumentar a conscientização, tornando-os um instrumento TOFU. As empresas não podem e não devem esperar que os blogs gerem leads e gerem conversões. Nesta fase, o visitante encontra-se em fase de exploração. Os blogs orientam o usuário na descoberta de um produto ou serviço, entendendo como tal produto pode resolver seu problema e educando-o sobre outros aspectos do tópico. 

2. Vídeos

Os vídeos  são a forma de conteúdo do século XXI. Agora que podemos gravar vídeos usando nossos telefones e visualizá-los em tempo real sem a necessidade de fitas de videocassete pesadas (lembra delas?), O conteúdo de vídeo se tornou mais difundido do que nunca.

As empresas que não estão produzindo vídeos para suas necessidades de conteúdo estão seriamente perdendo. Aqui estão algumas estatísticas a serem observadas sobre o marketing de vídeo:  

  • 80%  dos profissionais de marketing de vídeo afirmam que o vídeo aumentou as vendas diretamente . 
  • Em 2022, os vídeos online representarão mais de 82% de todo o tráfego de consumidores da Internet . 
  • 84%  das pessoas foram convencidas a comprar um produto ou serviço assistindo ao vídeo de uma marca.   

 

Assim como os blogs, os vídeos também são conteúdo TOFU usado para aumentar a conscientização . A vantagem do conteúdo de vídeo é que se pode explicar muito mais em alguns quadros em menos tempo do que em algumas páginas. Além disso, eles também são fáceis de consumir, compartilhar e reutilizar. Por exemplo, soundbites ou clipes de vídeo curtos destacando um ponto crítico podem ser cortados e reutilizados como conteúdo compartilhável.  

No entanto, produzir vídeos é uma habilidade complexa de dominar. Você não só precisa saber como usar uma câmera e compreender a iluminação adequada ou as condições de fotografia, mas também precisa ser adepto da edição. Os vídeos são fáceis de gravar; vídeos de alta qualidade, não. A importância de um editor de vídeo só parece crescer com o passar dos anos. Ter um bom editor de vídeo disponível pode ajudar uma empresa a criar conteúdo de qualidade com bom desempenho.

3. Podcasts

Os podcasts se  juntam às fileiras dos blogs e vídeos como conteúdo TOFU. Eles são ferramentas incríveis não apenas para construir o reconhecimento da marca, mas também para estabelecer uma liderança inovadora . Os podcasts também são uma ótima maneira de iniciar o marketing de influenciador, tendo especialistas do setor ou “influenciadores” participando de um episódio. Isso constrói a credibilidade de qualquer empresa e pode ser usado como uma forma de prova social.   

Assim como os vídeos, os podcasts são formas sensoriais de conteúdo. No entanto, embora os vídeos sejam auditivos e visuais, os podcasts podem funcionar sozinhos com apenas um feed de áudio. Isso não quer dizer que os podcasts não possam ser visuais; muitos podcasts populares funcionam em formato de vídeo.

A chave para um podcast de sucesso depende de vários fatores. Alguns deles são:

  • Ser consistente:  isso vale para qualquer estratégia de conteúdo, mas os podcasts geralmente funcionam melhor como uma série de episódios. Os podcasts são lentos e demoram a ganhar ímpeto e seguidores constantes. Lançar alguns episódios de podcast e interromper a produção não terá nenhum resultado favorável. Eles são um investimento de longo prazo e precisam ser bombeados regularmente, sem deixar a qualidade do conteúdo cair.
  • Alto-falantes confortáveis:  como os podcasts são ouvidos, a forma como alguém fala pode mudar drasticamente a forma como o ouvinte percebe o conteúdo. Infelizmente, nem todo mundo é um orador talentoso. Você não precisa ser um orador para executar um podcast, mas certamente ajuda se o anfitrião se sentir confortável ao falar e for adepto da transição entre os tópicos sem problemas.
  • Especialistas em um tópico: Isso é algo que algumas organizações erram. Quando uma empresa decide criar um podcast para seu negócio, ela acredita que o apresentador ou orador principal deve ser um executivo de nível C. Por razões óbvias, alguém na alta administração traz credibilidade e visibilidade para um programa. O problema com essa abordagem é que os líderes seniores não estão mais sujando as mãos.

    Por exemplo, se houver um podcast sobre segurança cibernética, um Chief InfoSec Officer (CIO) teria alguns bons insights sobre o assunto. Mas a profundidade de conhecimento que um analista de vulnerabilidade teria sobre o assunto é muito maior porque eles trabalham no campo todos os dias. Portanto, ter uma boa combinação de líderes seniores e especialistas no assunto é a chave para uma série de podcast envolvente.

4. Artigos

Os white papers  são documentos com muito texto. Mas, ao contrário de um blog ou artigo, eles são mais técnicos e têm um tom empresarial. Como os white papers são escritos para um público mais informado, eles são recipientes perfeitos para o conteúdo do MOFU. Nesse estágio do funil, os leads procuram respostas muito específicas sobre o produto e seus recursos que um site ou artigo não pode cobrir.

Os white papers são usados ​​para gerar leads na forma de conteúdo bloqueado. Os clientes em potencial interessados ​​baixariam um white paper depois de fornecer alguns detalhes em um formulário de geração de leads. Como as pessoas estão dispostas a fornecer seus dados em troca de conteúdo, o white paper oferecido deve valer a pena.

Aqui estão algumas coisas que você deve evitar ao preparar um white paper:

  • Usando muito espaço para falar sobre a empresa:  isso ainda não é um argumento de venda, então salve esse conteúdo para um deck ou uma apresentação de demonstração. Mantenha uma pequena seção para um parágrafo “Sobre nós”, se necessário, mas não deixe que se torne uma página longa.
  • Reaproveitando o conteúdo de fontes não bloqueadas:  se alguém já está explorando uma empresa há algum tempo, é provável que já tenha folheado os blogs e a cópia do site disponível abertamente online. Usar o texto exato em conteúdo bloqueado é preguiçoso e deixa o cliente em potencial se sentindo enganado ao fornecer os detalhes. Em vez disso, os white papers devem agregar valor individual a um lead.
  • Não explicando termos técnicos:  Whitepapers são documentos inerentemente técnicos. No entanto, nem todos entenderão o jargão que você está usando. Se um white paper contiver novas palavras ou termos específicos para o negócio, mas não necessariamente para o setor, certifique-se de que as definições ou explicações sejam incluídas no mesmo documento. Os clientes em potencial não precisam ficar pesquisando no Google o que seu white paper significa.

5. Estudos de caso

Assim como os white papers, os estudos de caso são conteúdo do MOFU. As equipes de marketing podem gerar leads qualificados de marketing (MQLs) de indivíduos que fornecem seus detalhes em um formulário e baixam um estudo de caso.     

Os estudos de caso são uma forma predominante de obtenção de leads. Os compradores em potencial desejam saber quem usou o produto e como o produto ajudou a resolver um problema. É aqui que as empresas podem destacar as capacidades de seus produtos. Os estudos de caso podem ser baseados em texto ou em formato de vídeo. Os estudos de caso em vídeo teriam o cliente falando favoravelmente sobre o produto. Os clientes em potencial confiam mais nos estudos de caso em vídeo, uma vez que o rosto e as palavras do cliente estão sendo exibidos.

Marketing afiliado

No marketing de afiliados , os criadores digitais fazem parceria com marcas que se alinham com o conteúdo que eles colocam em seus canais. Esses criadores promovem a marca com a qual estão vinculados e ganham receita com base no número de pessoas que compram mercadorias por meio de seus links de afiliados. 

O marketing de afiliados é uma situação em que todos ganham tanto para o comerciante afiliado quanto para a empresa com a qual eles estão fazendo parceria. 

Os comerciantes afiliados obtêm uma boa fatia de cada compra feita por um cliente usando o link de afiliado ou o código de desconto de afiliado. É um ótimo show paralelo para influenciadores que buscam ganhar algum dinheiro extra com seu conteúdo.

Marcas ou comerciantes que fazem parceria com profissionais de marketing afiliados conseguem atingir uma base de público leal que ajusta sua persona do comprador a um T. Os afiliados trabalham duro para construir um público estável que consuma ativamente seu conteúdo. 

As pessoas confiam nesses criadores ou influenciadores porque eles são pessoas reais que não são atores pagos para endossar um produto na TV. Se um afiliado estiver usando ou defendendo um produto, é provável que ele use esse produto e mostre seu apoio a ele. Os comerciantes afiliados amplificam a voz da marca entre o público certo e ajudam a construir credibilidade em torno dela.

Estes são os nichos que impulsionam o maior número de programas de afiliados : 

  • Moda ( 18,7% )
  • Artigos esportivos ( 14,6% )
  • Saúde e bem-estar ( 11,1% )

Marketing de email

O marketing por email  fornece o maior ROI do que outras táticas de marketing. No entanto, a maioria das pessoas se engana.

Lembre-se da última vez em que recebeu um e-mail promocional. Foi algo que você clicou? Ou foi imediatamente enviado para o spam?

A razão pela qual as pessoas não gostam de receber e-mails promocionais é que eles são ostensivamente promocionais. “Mas uma campanha de e-mail deve ser promocional, certo?” É, mas existem maneiras melhores de fazer isso.

O marketing por email requer muito trabalho de base. Estratégias de e-mail “em lote e explosão” são ineficazes e devem ser eliminadas. Em vez disso, como qualquer outra estratégia de marketing digital, o marketing por email deve ser orientado por dados. 

Você sabia? Campanhas de e-mail em lote e explosão incluem o envio de um e-mail padrão para muitos assinantes de e-mail em uma lista de e-mail. Também é conhecido como envio de e-mail em massa.

A segmentação de email  é um exemplo brilhante de como as estratégias de marketing por email podem incorporar dados. Requer a coleta de diferentes tipos de dados para criar uma ideia aproximada de como é a base de contatos, as características comuns compartilhadas pelas pessoas nesta lista e a melhor forma de agrupá-las. 

Em oposição ao envio de grandes lotes de e-mails para todos os contatos em um CRM, a segmentação de e-mail ajuda as empresas a enviar mensagens relevantes para o conjunto certo de pessoas.

Alguns dos benefícios da segmentação de e-mail incluem: 

  • Reduzindo as taxas de cancelamento de assinatura
  • Fortalecimento do relacionamento com o cliente 
  • Elaboração de conteúdo de e-mail pertinente aos contatos
  • Executar campanhas de e-mail que convertem
  • Aumentar a interação do assinante com e-mails
  • Habilitando a nutrição de leads
  • Gerando mais receita

Na personalização de email , os profissionais de marketing usam as informações que possuem sobre cada indivíduo e criam corpos de email personalizados que utilizam informações específicas de um usuário. Isso pode ser na forma de nomes usados ​​em uma linha de assunto ou endereçando a designação e localização de uma pessoa no e-mail. 

Ao combinar a segmentação, a personalização do email se torna muito mais gerenciável e altamente eficaz. Como resultado, os assinantes recebem e-mails relevantes para eles e as empresas obtêm campanhas de sucesso que não acabam no lixo.

Os 5 principais softwares de marketing por e-mail:

  1. Mailchimp
  2. Contato constante
  3. Sendinblue
  4. Zoho Campaigns
  5. iContact

* Estes são os cinco principais softwares de marketing por e-mail do Summer 2021 Grid® Report da G2.

Otimização de mecanismos de pesquisa (SEO)

Como o nome sugere, SEO é o processo de otimizar ou melhorar a página de uma empresa no SERP. Os mecanismos de pesquisa exibem vários links para páginas e sites em uma ordem específica que muda de tempos em tempos. A posição de cada página é chamada de classificação . As classificações determinam a visibilidade de uma página da Web específica para o usuário médio da Internet. 

SEO é frequentemente confundido com  marketing de mecanismo de pesquisa (SEM) . Os dois podem ser distinguidos por um fator: SEO utiliza estratégias orgânicas para se classificar melhor no SERP, enquanto SEM usa métodos pagos  para aparecer no SERP.   

O SEO pode ser segregado em alguns tipos principais:

  • SEO na página:  analisa o conteúdo presente em uma página específica. O SEO na página se concentra em elementos como densidade de palavras-chave, compartilhamento de voz, volume de pesquisa, legibilidade e acessibilidade às informações corretas.
  • SEO fora da página:  concentra-se em backlinks que podem gerar atenção externa. Se o conteúdo de uma página da web for informativo ou valioso, outros sites podem vinculá-lo às suas páginas. Um número maior de backlinks puxados por páginas com alta autoridade de domínio impulsiona as classificações do site de uma empresa no SERP, fazendo-o subir para o topo.
  • SEO técnico:  o SEO técnico, embora não esteja relacionado ao conteúdo de uma página, continua sendo uma parte crucial de qualquer estratégia de SEO. Os motores de busca penalizam as páginas que carregam lentamente ou têm problemas de compressão. Os especialistas técnicos em SEO abordam esses problemas e muito mais no código do site e os corrigem imediatamente.

Os 5 principais softwares de SEO:

  1. Semrush
  2. SE Ranking
  3. Condutor
  4. Ahrefs
  5. Siteimprove

* Estes são os cinco principais softwares de SEO do Summer 2021 Grid® Report da G2.

Marketing de mídia social

A mídia social mudou efetivamente a aparência, a sensação e o som da internet hoje. O que antes era o bebedouro de estudantes universitários ou colegiais, agora se tornou um lugar para todas as idades e origens em todo o mundo. Embora as postagens nas redes sociais orgânicas não gerem leads ou conversões, é vital para criar consciência e aumentar a presença de uma empresa. Afinal, o futuro é social.

Como a maioria das pessoas gasta uma parte considerável de seu tempo nas mídias sociais, é natural que as empresas comecem a mudar seu foco para as plataformas digitais. Diversas ferramentas de software de marketing de mídia social estão disponíveis no mercado para objetivos específicos, a fim de otimizar os esforços de marketing nessas plataformas.  

Os 5 principais softwares de gerenciamento de mídia social:

  1. HubSpot Marketing Hub
  2. Hootsuite
  3. Zoho Social
  4. Sprout Social
  5. Gerenciador de páginas do Facebook

* Estes são os cinco principais softwares de gerenciamento de mídia social do Summer 2021 Grid® Report da G2.

Enquanto a maioria das plataformas online compõe o espectro da mídia social, cada fórum difere amplamente um do outro. Vejamos cinco das maiores plataformas de mídia social e como cada empresa pode aproveitar todo o seu potencial.

1. LinkedIn

O LinkedIn  é uma plataforma de rede profissional onde as empresas podem recrutar candidatos, postar atualizações sobre o negócio e executar campanhas digitais para aumentar a conscientização ou gerar leads . É como o Facebook para empresas. Embora qualquer pessoa possa criar um perfil na plataforma, o LinkedIn é composto predominantemente por Baby Boomers, Geração X e Millennials mais velhos. É voltado para um público mais maduro.   

Como o LinkedIn visa um grupo demográfico específico e é mais para empresas do que amigos e família, a tática de marketing mudará. Aqui estão alguns elementos que os profissionais de marketing digital usam no LinkedIn:

  • Conteúdo bloqueado / não bloqueado:  a mídia social é uma ótima maneira de compartilhar conteúdo. O tipo de conteúdo compartilhado e consumido no LinkedIn são peças de formato longo, como white papers, estudos de caso, comunicados à imprensa (PR), infográficos ou artigos. Uma mistura de conteúdo fechado e não fechado é usada para educar o público-alvo e capturar leads.
  • Landing pages: Landing pages são proficientes em gerar leads, oferecendo algo de valor a um usuário. Isso pode ser conteúdo bloqueado na forma de guias ou recursos ou fazer com que os visitantes se inscrevam para receber um boletim informativo por e-mail. As páginas de destino são vistas predominantemente no LinkedIn, ao contrário de outras plataformas de mídia social.  
  • InMail: “Sliding into your DMs” tem um significado muito diferente no LinkedIn. InMail é uma mensagem publicitária enviada a perfis específicos do LinkedIn com base nos objetivos da campanha publicitária. É uma abordagem melhor do que enviar por e-mail frio, pois o público é filtrado de acordo com a designação, região, setor e experiência profissional. Os especialistas em marketing também podem personalizar seus anúncios de mensagem por meio de campos dinâmicos que usam esses atributos.

Resumo do LinkedIn:

  • Data de lançamento: 5 de maio de 2003
  • Número de usuários: 756 milhões (em 2021)
  • Modelo de receita: anúncios, LinkedIn Premium
  • Foco principal de marketing de negócios: B2B
  • Custo médio por clique (CPC): $ 5,26
  • Custo médio por lead (CPL): $ 15- $ 300
  • Custo médio por 1000 impressões (CPM): $ 8,56- $ 11,78
  • Formatos de anúncio disponíveis: vídeo, banner, imagem de carrossel, texto, destaque, InMail (ou mensagem / conversa) e anúncios de eventos
  • Duração da campanha: fixa ou vitalícia
  • Objetivos da campanha: reconhecimento da marca, visitas ao site, envolvimento (curtidas, comentários, compartilhamentos), exibições de vídeo, geração de leads, conversões do site, candidatos a empregos

* Dados obtidos no LinkedIn, LinkedIn Business, Webfx, The B2BHouse e HubSpot

2. Instagram

O Instagram  é dominado por jovens, especificamente usuários da geração Y e da Geração Z. É uma das plataformas mais novas a ser lançada e desde então se tornou um fenômeno mundial. 

Começando como um álbum de fotos digitais onde os usuários podiam postar fotos de suas vidas diárias e obter curtidas ou “corações” em cada postagem, o Instagram se tornou um zeitgeist da mudança cultural. Os usuários de hoje podem compartilhar vídeos, ter streams ao vivo, criar Momentos ou clipes de vídeo e áudio de 15 segundos, configurar lojas para e-commerce e agora até mesmo criar e publicar blogs ou artigos em uma atualização recente. 

Embora o marketing de influenciadores não seja uma coisa nova, o Instagram conseguiu se tornar um terreno fértil para influenciadores, abrindo caminho para jovens “estrelas do Insta” que fazem parceria com marcas que vão de roupas e cuidados com a pele a decoração de casa e restaurantes. 

O Instagram é focado em B2C, não tendo um público B2B considerável estabelecido até agora. Mas a plataforma é conhecida por atualizações regulares e introdução de novos recursos que aumentam a longevidade do canal de mídia social. 

Com sua grande base de usuários, o Instagram é uma plataforma ideal para publicidade. No final dos anos 2010, a publicidade no Instagram era barata. No entanto, com a plataforma cada vez mais lotada e mais usuários utilizando os anúncios do Instagram para alcançar novos públicos, os custos dos anúncios têm aumentado constantemente ao longo dos anos.

Instagram em resumo:

  • Data de lançamento: 6 de outubro de 2010
  • Número de usuários: 1,07 bilhão (em 2021)
  • Modelo de receita: anúncios
  • Foco principal de marketing de negócios: B2C
  • Custo médio por clique (CPC): $ 0,5- $ 3
  • Custo médio por lead (CPL): $ 10,89
  • Custo médio por 1000 impressões (CPM): $ 6,70- $ 8,50
  • Formatos de anúncio disponíveis: imagem única, IGTV ou vídeo, carrossel, compras no Instagram, explorar e anúncios de história
  • Duração da campanha: fixa ou vitalícia
  • Objetivos da campanha: instalações de aplicativos, reconhecimento da marca, alcance, tráfego do site, engajamento pós-publicação, exibições de vídeo

* Dados obtidos no Instagram, Wordstream, Falcon.io e Lyfe Marketing

3. Facebook

O Facebook  é uma das maiores plataformas de mídia social, com impressionantes 2,85 bilhões de usuários. No final dos anos 2000, o Facebook era extremamente popular entre o público mais jovem. Hoje, a maioria dos usuários ativos no Facebook são Gen X, Gen Y ou Millennials, e alguns baby boomers que se sentem confortáveis ​​usando a tecnologia digital.

Devido ao grande volume de usuários ativos no Facebook espalhados pelo mundo, os profissionais de marketing e anunciantes incluem o Facebook como um ponto focal para seus esforços de campanha digital. Hoje, o marketing do Facebook se tornou um subconjunto próprio dentro do marketing de mídia social. Como o Instagram, o Facebook também é voltado para B2C, em vez de B2B. Mas há alguns casos de marketing B2B ocorrendo na plataforma com empresas de olho no pool de usuários do Facebook para o conhecimento da marca e anúncios de eventos .   

Facebook em resumo:

  • Data de lançamento: 4 de fevereiro de 2004
  • Número de usuários: 2,85 bilhões (em 2021)
  • Modelo de receita: anúncios
  • Foco principal de marketing de negócios: B2C / B2B
  • Custo médio por clique (CPC): $ 1,86- $ 2,92
  • Custo médio por lead (CPL): $ 7,64- $ 13,68
  • Custo médio por 1000 impressões (CPM): $ 8,96- $ 12,72
  • Formatos de anúncio disponíveis: anúncios de foto, vídeo, carrossel, jogáveis, histórias, apresentações de slides, colecionáveis ​​e mensageiros
  • Duração da campanha: fixa ou vitalícia
  • Objetivos da campanha: conhecimento da marca, alcance, instalações de aplicativos, engajamento (curtidas, comentários, compartilhamentos), visualizações de vídeo, geração de leads / direcionamento de uma ação de negócios, visitas à loja.

* Dados obtidos no Facebook, Wordstream, RevealBot e Facebook Business

4. Twitter

O Twitter  é um serviço de microblogging e rede social em que as postagens e mensagens são chamadas de ‘tweets’. Ao contrário de outras plataformas de mídia social, o Twitter impõe um limite estrito de caracteres em cada tweet. Cada tweet não podia exceder 144 caracteres até 2017, quando o limite de caracteres aumentou para 280.

O Twitter adotou hashtags para agrupar conteúdo relevante dentro da plataforma depois que os usuários reclamaram de ver conteúdo desorganizado e irrelevante em seu feed. Hoje, o conceito de hashtags prevalece em todas as plataformas de mídia social, com o Instagram incorporando-as em seu DNA desde o primeiro dia em que a plataforma foi lançada em 2010.

O Twitter se tornou sinônimo de celebridades e personalidades famosas dentro de uma indústria compartilhando suas opiniões de forma sucinta em tweets e imagens. Isso se deve à capacidade da plataforma de obter tópicos ‘tendência’ e ganhar atenção e engajamento em todo o mundo. Embora a maioria das plataformas de mídia social seja capaz de se tornar viral, o Twitter viu vários casos de viralidade dentro do canal.

Resumo do Twitter:

  • Data de lançamento: 15 de julho de 2006
  • Número de usuários: 192 milhões (usuários ativos em 2021)
  • Modelo de receita: anúncios
  • Foco principal de marketing de negócios: B2C / B2B
  • Custo médio por clique (CPC): $ 0,33- $ 0,60
  • Custo médio por lead (CPL): $ 7,64- $ 13,68
  • Custo médio por 1000 impressões (CPM): $ 6,46- $ 8,68
  • Formatos de anúncio disponíveis: anúncios gráficos, anúncios em vídeo, anúncios em carrossel, anúncios momentâneos, anúncios de texto, enquetes, botões de conversa, botões de site, botões de aplicativo, hashtags de marca, notificações de marca e transmissões ao vivo
  • Duração da campanha: fixa ou vitalícia
  • Custo das tendências promovidas:  $ 100.000 – $ 200.000 / dia
  • Objetivos da campanha: instalações de aplicativos, reconhecimento da marca, alcance, tráfego do site, engajamento de tweet, exibições de vídeo, hashtags de tendência.

* Dados obtidos no Twitter, Statista, Twitter Business e Webfx

5. YouTube

O YouTube  é a plataforma de compartilhamento de vídeo mais popular do mundo. O YouTube tem vídeos sobre todos os assuntos imagináveis, de conteúdo educacional a entretenimento. Muitos artistas começaram no YouTube e caíram no estrelato. Inspirando-se em canais de TV e incorporando-os à plataforma, os usuários com conta no YouTube também têm canais para produzir e postar conteúdo.

Ajudou a popularizar tendências, tornando o conteúdo ou as pessoas virais, com vídeos que ganham milhões de visualizações a cada minuto. Desde que foi adquirido pelo Google em 2006, o YouTube conseguiu ser a principal plataforma de vídeo para todos os grupos demográficos.

A exibição de anúncios no YouTube pode ser feita criando uma conta do Google Ads e configurando uma campanha. Por ser uma plataforma de compartilhamento de vídeo, naturalmente, a maioria dos anúncios está em formato de vídeo. No entanto, existem anúncios de banner que redirecionam os visitantes para outro site ou vídeo, uma vez clicados.

Visão geral do YouTube:

  • Data de lançamento: 14 de fevereiro de 2005
  • Número de usuários: 2,3 bilhões (em 2021)
  • Modelo de receita: anúncios, YouTube Premium, SuperChat, Clubes dos canais, mercadorias do criador
  • Foco principal de marketing de negócios: B2C
  • Custo médio por clique (CPC): $ 0,58
  • Custo médio por visualização (CPV): $ 0,03
  • Custo médio por lead (CPL): $ 54- $ 200
  • Custo médio por 1000 impressões (CPM): $ 3,50- $ 5,10
  • Formatos de anúncio disponíveis: anúncios em vídeo puláveis, anúncios em vídeo não puláveis, anúncios bumper e anúncios de sobreposição
  • Duração da campanha: fixa ou vitalícia
  • Objetivos da campanha: conhecimento da marca, pesquisa / alcance, compras, instalações de aplicativos, engajamento (visualizações, comentários, compartilhamentos)

* Dados obtidos no Google, Influencer Marketing Hub, Wordstream e RevealBot

Automação de marketing

A automação de marketing não está diretamente associada à criação, promoção e publicidade de conteúdo como os outros tipos de marketing que abordamos até agora, mas também é considerada outro tipo de marketing digital. Com tantos canais e plataformas disponíveis online, torna-se difícil monitorar e publicar tarefas digitais simultaneamente. As ferramentas de automação de marketing podem agilizar todas essas tarefas para economizar tempo e fornecer uma experiência omnicanal para profissionais de marketing e clientes.

As ferramentas de  automação de marketing essencialmente automatizam os processos de marketing digital. Desde a postagem nas redes sociais até o envio de uma campanha por e-mail, a maioria das tarefas manuais que são sensíveis ao tempo podem ser criadas com antecedência e publicadas em uma data e hora programadas, dependendo dos requisitos.

Os 5 principais softwares de automação de marketing:

  1. HubSpot Marketing Hub
  2. ActiveCampaign
  3. Klaviyo
  4. SharpSpring
  5. Omnisend

* Estes são os cinco principais softwares de automação de marketing do Summer 2021 Grid® Report da G2.

Até agora, cobrimos vários tipos de marketing digital. A mídia social é apenas uma faceta, mas ainda é um dos aspectos mais proeminentes do marketing digital. Com todas essas plataformas de mídia social, a publicidade desempenha um papel importante. Campanhas e anúncios são um acéfalo, considerando que a mídia social oferece um grande grupo de pessoas cujos interesses, atividades online e outros dados de perfil estão disponíveis para os profissionais de marketing digital. A execução de campanhas direcionadas a uma pessoa ou segmento de público específico melhora seu desempenho e mostra resultados favoráveis.

A questão é: como você mede o desempenho de uma campanha de marketing digital?

Como medir o desempenho de uma campanha de marketing digital

Uma das vantagens mais significativas do marketing digital ou da publicidade digital é que eles são orientados por dados. Não há ambigüidade em lançar anúncios e saber para onde foi a maior parte dos gastos com publicidade. Naturalmente, existem métricas usadas para medir a eficácia de qualquer campanha de marketing digital. 

Aqui estão algumas das métricas mais importantes usadas para avaliar o desempenho de um anúncio digital:

Taxa de cliques (CTR)

CTR é um termo comum usado em outras formas de marketing digital, mas tem uma forte associação com campanhas de mídia social. Em termos simples, ele mede a interação total dos usuários com uma campanha que veem. A interação aqui é na forma de cliques.

Taxa de cliques (CTR)  = (número de cliques ÷ número de impressões) x 100

Custo por mil (CPM)

CPM é o custo de uma campanha publicitária para cada 1000 impressões. Essa métrica é usada para campanhas mais amplas que visam um grande número de pessoas ao mesmo tempo. Em geral, os custos de CPM são mais baixos do que outros métodos de campanha. Assim que a plataforma de distribuição dos anúncios aprova a campanha, as postagens de anúncios digitais são cobradas apenas por cada impressão criada. Aqui, “impressão” não é singular, mas sim na casa dos milhares.

Essa métrica é útil para campanhas em que o objetivo principal é aumentar a conscientização . Uma campanha com alvos mais específicos, idealmente, não deveria usar CPM. 

Custo por impressão (CPM)  = (custo para um anunciante) ÷ (1000 impressões)

Pague por clique (PPC)

PPC se refere ao método de pagamento pelo anúncio no qual os usuários clicam. É um termo usado em plataformas de publicidade online como Google e Facebook. Esteja você veiculando anúncios de pesquisa pagos, anúncios de lista de produtos (PLA) ou campanhas de mídia social, se você tiver um orçamento fixo, compreender o PPC médio que ele custa para o setor de sua empresa é um excelente ponto de partida. 

A publicidade PPC funciona com base no princípio de leilões. Suponha que você tenha configurado campanhas nas redes sociais ou usado o Google AdWords (a plataforma de publicidade paga por clique do Google). Nesse caso, você saberia que qualquer campanha é configurada fixando o público, os objetivos da campanha, o formato do anúncio e, finalmente, o orçamento. Ao definir o orçamento para a campanha, normalmente, um valor máximo precisa ser estabelecido. Há um lance colocado nas palavras-chave específicas.

A eficácia de um anúncio Pay per Click (PPC) pode ser deduzida do lucro por impressão ou do lucro por clique .

  • Lucro por impressão  = (Lucro da receita) ÷ (número de impressões)
  • Lucro por clique = (Lucro da receita) ÷ (Número de cliques no anúncio) 

Custo por clique (CPC)

Em comparação, o CPC se refere ao custo de cada clique em um anúncio ou campanha na própria plataforma. 

Anúncios PPC são o que uma empresa executaria online, independentemente da plataforma ou canal. CPC é o custo de um anúncio PPC em um canal específico. O CPC é um valor tangível e absoluto, pois o custo de cada clique é transparente. O PPC não é tão simples, pois requer a avaliação do desempenho de uma campanha por meio de vários parâmetros, como cliques, impressões, lucro ou perda gerada.

Custo por clique (CPC)  = Custo para e anunciante ÷ Número de cliques

Valor vitalício

O valor ao longo da vida se refere ao valor da receita gerada por um indivíduo ao longo do ciclo de vida do cliente. O valor da vida de um cliente deve ser sempre maior do que o custo de aquisição. Se o custo de aquisição for muito maior do que o valor obtido de um cliente, é um exercício fútil, e tal indivíduo não deve ser perseguido além de um certo ponto.

Uma boa regra prática é: Custo por clique ÷ Taxa de conversão <Valor vitalício

Aqui estão mais algumas fórmulas usadas para calcular o desempenho de qualquer campanha digital:

  • Custo por lead (CPL) = Custo para o anunciante ÷ Número de leads gerados a partir de um anúncio
  • Custo efetivo por milha (eCPM)  = (ganho total ÷ número total de impressões) x 1000
  • Custo efetivo por clique (eCPC) = ganho total ÷ número total de cliques  
  • Custo efetivo por ação (eCPA)  = ganho total ÷ número total de ações
  • Retorno sobre o investimento (ROI)  = (Receita total – Custo total) ÷ ​​Custo total
  • Classificação do anúncio  = lance de CPC x índice de qualidade
  • Retorno do investimento em publicidade (ROAS)  = (receita ÷ gasto)
    ou
    (receita + valor da meta) ÷ custo

Marketing digital vs. marketing de entrada

O marketing digital e o inbound marketing são frequentemente usados ​​de forma intercambiável.

Marketing digital vs. marketing de entrada

O marketing digital  é um conjunto de tarefas ou ações que utilizam ferramentas ou atividades em um meio digital para atingir objetivos de curto prazo. O marketing digital é excelente para criar consciência, aumentar a visibilidade e aumentar o tráfego.

O marketing de entrada  utiliza táticas de marketing digital em uma base de longo prazo, mantendo uma estratégia de marketing definida em mente. Normalmente, o marketing de entrada é fundamental para adquirir leads qualificados e convertê-los em clientes. O inbound marketing não é possível sem o marketing digital, então os dois andam de mãos dadas.

Diferença entre marketing digital B2B e B2C

A principal diferença entre o marketing digital B2B e B2C está na intenção do comprador.

As empresas B2B  vendem produtos ou serviços que geralmente exigem um compromisso mais considerável na forma de tempo, dinheiro ou ambos. Os produtos B2B geralmente são baseados em assinatura, exigindo que os clientes sejam nutridos por um período de tempo. 

As empresas B2C  vendem uma mercadoria que geralmente é uma compra única. O ciclo de vendas é rápido, e a jornada desde o reconhecimento até o estágio de checkout é muito mais curta do que em um processo B2B.

O marketing digital para uma empresa B2B muda de tom, mensagens, plataformas que devem ser focadas e o conteúdo produzido. Uma plataforma de mídia social como o Instagram não é ideal para uma organização B2B anunciar, mas é perfeita para uma empresa B2C. 

Da mesma forma, o tipo de e-mail e a frequência com que as campanhas de e-mail são enviadas para uma lista de contatos difere de uma empresa B2B e B2C. Em ambos os casos, enviar muitos e-mails não é uma experiência agradável para os assinantes, mas as empresas B2C podem enviar mais atualizações por e-mail do que suas contrapartes B2B. Linhas de assunto não convencionais, GIFs e imagens são confortáveis ​​em uma campanha de e-mail B2C, mas não tanto em uma campanha B2B.

Marketing digital B2BMarketing digital B2C
O tom do conteúdo e das mensagens é mais profissional .O estilo de conteúdo e mensagem é mais casual .
LinkedIn, Twitter e Facebook são as plataformas preferidas.Instagram, YouTube e Twitter são as plataformas preferidas.
As campanhas de e-mail são informativas, nítidas e esporádicas por natureza.As campanhas por e-mail são informais, estimulantes e de natureza mais frequente .
Os gastos com campanhas digitais geralmente são altos .Os gastos com campanhas digitais costumam ser baixos .
Formatos de conteúdo como white papers , estudos de caso e infográficos são mais comuns.Formatos de conteúdo como fotos , blogs e vídeos de 15 ou 30 segundos são mais comuns.

Papel de um profissional de marketing digital

A maioria dos profissionais de marketing hoje são profissionais de marketing digital. O termo profissional de marketing digital é muito amplo para descrever o que um indivíduo faz. Qualquer profissional de marketing cujo trabalho envolva interação com o mundo online é considerado um profissional de marketing digital. Vejamos alguns tipos de profissionais de marketing digital e o que eles fazem.

  • Especialistas em marketing de conteúdo:  os especialistas em marketing de conteúdo são mais do que redatores de conteúdo. Eles pesquisam palavras-chave e tendências, produzem conteúdo em vários formatos (textual, visual, auditivo) e planejam uma estratégia de conteúdo com antecedência. Os especialistas em marketing de conteúdo não podem substituir um profissional de marketing de mídia social que cria legendas e postagens. É como ter um contador que cuida de bancos de investimento. Um não é igual ao outro.
  • Especialistas em SEO:  os especialistas em SEO estão atualizados com qualquer atualização de mecanismo de pesquisa, mapeiam palavras-chave que precisam ser direcionadas pela equipe de conteúdo, monitoram aumentos ou quedas no tráfego de uma página e entendem o que contribuiu para essa mudança, realizam verificações higiênicas das páginas periodicamente e otimiza o desempenho da página para garantir uma classificação melhor no SERP. Estas são apenas algumas das muitas coisas que um especialista em SEO lida no seu dia de trabalho.
  • Profissionais de marketing de mídia social:  os profissionais de marketing de mídia social cuidam de todos os canais sociais, criam legendas e postagens para o controle de mídia social da empresa, interagem com os seguidores e respondendo aos seus comentários, incorporam elementos como pesquisas, vídeos ou transmissões ao vivo para envolver o público, e o mais importante, crie um feed consistente com postagens regulares. O marketing de mídia social não é tão simples quanto postar uma foto e jogar algumas hashtags por aí. Há muita reflexão e pesquisa envolvida para garantir que cada postagem tenha amplo alcance e muito envolvimento. 
  • Designers: os  designers são responsáveis ​​por criar visuais atraentes que as pessoas veem nas redes sociais, mercadorias ou no site de uma empresa. Os designers têm a tarefa de criar recursos e designs que tenham uma boa aparência, que ressoem com o público e invoquem um sentimento. Bons designers entendem de posicionamento, posicionamento e são adeptos de ferramentas de design ou animação como Illustrator e Photoshop.
  • Editores de vídeo:  Considerando que os vídeos se tornaram o formato de conteúdo mais consumido na era digital, não é surpresa que um bom editor de vídeo percorra um longo caminho. Os editores de vídeo pegam as filmagens brutas e as limpam quadro a quadro. Eles incorporam áudio, gráficos, efeitos sonoros, efeitos especiais e animações para fazer os vídeos parecerem bons e transmitir a mensagem o mais claramente possível ao espectador. Os editores de vídeo garantem que as transições em um vídeo sejam contínuas. Uma vez que a filmagem bruta que eles recebem é filmada em diferentes ângulos de câmera, deve-se tomar cuidado para garantir que a filmagem seja reunida em um vídeo coeso que conte uma história.

Estratégias de marketing digital em todos os níveis da organização

O marketing digital deve ser uma estratégia em toda organização. A maneira como cada organização adota o marketing digital depende de fatores como o tamanho da empresa, o reconhecimento do mercado, o setor em que atua e o orçamento de que dispõem. Embora o marketing digital seja universal, sua implementação e execução não são uniformes de organização para organização.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais as empresas de qualquer nível podem adotar o marketing digital.

Iniciantes

As startups enfrentam dois problemas desde o início: orçamento e reconhecimento. O que as startups precisam é de uma estratégia de marketing digital que aumente o reconhecimento da marca e também seja econômica e econômica.

É importante lembrar que, embora existam estratégias de marketing digital orgânicas e econômicas, elas ainda custam dinheiro. Presumir que orgânico significa grátis é um pecado capital no mundo do marketing.

Em um nível de startup, divulgar a informação é fundamental para obter reconhecimento, adquirir clientes e ver o crescimento. Manter os objetivos da campanha como consciência ajuda as empresas a se manterem focadas e maximizar os resultados, em vez de ter vários objetivos e se espalharem.  

Aqui estão algumas coisas que as startups devem considerar ao projetar sua estratégia de marketing digital.

  • Produza um bom conteúdo : o conteúdo é a moeda do mundo digital. Quanto mais conteúdo você produz, mais valor você verá. Ter uma estratégia de marketing de conteúdo sólida ajuda as empresas a amplificar sua voz ou mensagens na Internet. Embora seja uma ótima estratégia a ser seguida por todas as organizações em qualquer nível, ela traz resultados tremendos para startups com um orçamento menor. A produção de bom conteúdo não requer grandes quantias de capital a serem investidas, ao contrário dos anúncios digitais pagos. Tudo que você precisa é de criadores de conteúdo de som que entendam a indústria e o público-alvo, e um calendário de conteúdo bem planejado que é mantido durante todo o ano.
  • Concentre-se em fazer seu SEO certo : um bom conteúdo não significa nada se não for visível para as pessoas certas. O SEO anda de mãos dadas com o marketing de conteúdo. Isso ajuda a melhorar a classificação das páginas, o que é sempre um bom resultado, mas também permite que as equipes de conteúdo produzam um material melhor. As equipes de SEO sabem quais palavras-chave e tendências devem ser abordadas e trabalham duro para otimizar o conteúdo escrito para garantir que tenha melhor visibilidade. O único investimento necessário para o SEO é uma boa ferramenta de SEO  para ajudar a mapear palavras-chave, rastrear classificações, visualizar lacunas de conteúdo dos concorrentes e monitorar oportunidades de backlink
  • Gere buzz usando a mídia social : um equívoco comum é que a mídia social é para empresas B2C e que as organizações B2B podem se safar sem páginas de mídia social bem planejadas. Isso não pode estar mais longe da verdade. A mídia social é uma ferramenta de marketing incrível para qualquer negócio por dois motivos: permite que o público interaja diretamente com a marca e é totalmente gratuita (se você excluir as campanhas pagas de mídia social). Para empresas com orçamento apertado, a mídia social é uma ótima maneira de divulgar e gerar buzz. O investimento necessário para o marketing de mídia social envolve ter um especialista em mídia social confortável com diferentes plataformas, um designer que pode fazer banners e infográficos atraentes com as cores da marca e um calendário de mídia social.
  • Crie um site com objetivos específicos: como as startups não têm uma presença forte nesse estágio, os clientes em potencial que procuram um produto ou solução não saberão das ofertas da empresa até que leiam ou ouçam sobre isso. Um site robusto que explica o que a empresa tem a oferecer e respeita os aspectos do design impulsiona a presença de uma startup. Uma vez que muito tempo e esforço são necessários para projetar e desenvolver um site, é melhor embarcar em um projeto de site uma vez e não ter que revisitá-lo em alguns meses. As empresas que refazem seus sites várias vezes correm o risco de parecer inconsistentes para os visitantes e deixar os clientes em potencial confusos. O lema deve ser “faça uma vez, mas faça bem”. Além do conteúdo e design da web, os sites devem fornecer um design de interface de usuário exemplar (design de IU) e bom   experiência do usuário (UX) . Esses dois elementos garantem que um site seja melhor classificado no SERP e tenha uma boa autoridade de domínio.
  • Cultive leads de alta qualidade por meio do marketing por email: o  marketing por email é um acéfalo para startups. É uma das formas mais baratas de marketing e oferece o maior ROI com um baixo investimento. Depois que as startups reuniram contatos suficientes, nutri-los por meio de e-mails é uma ótima maneira de estabelecer um relacionamento, verificar o nível de interesse de cada cliente em potencial e acelerar as conversas. O único investimento necessário para o marketing por email é uma ferramenta de automação de email que envia automaticamente emails programados para uma lista de contatos. Também dá uma ideia de quantas pessoas cancelaram a assinatura, abriram seus e-mails e clicaram em links dentro de um e-mail.

Organizações emergentes / de médio porte

Nesse nível, as empresas têm um pouco mais de espaço para brincar. Os orçamentos são consideravelmente melhores do que o que as startups podem pagar, e as empresas construíram uma presença de forma constante ao longo dos anos. Nesta fase, escala ou crescimento são os principais objetivos.

As empresas emergentes manteriam a geração de leads  como o objetivo da campanha. Eles podem conseguir isso concentrando-se em algumas estratégias pagas e, ao mesmo tempo, utilizando táticas orgânicas. Não há como escapar de campanhas pagas. Embora os métodos orgânicos mostrem resultados, eles são mais um jogo de longo prazo. O conteúdo e as páginas não podem ser classificados em alguns dias. Demora semanas, às vezes meses, para obter uma classificação elevada no SERP. As organizações de médio porte precisam ver os resultados com mais rapidez antes que a concorrência conquiste a participação no mercado. 

As empresas neste nível devem considerar o seguinte ao projetar sua estratégia de marketing digital.

  • Fique por dentro das metas de marketing com um especialista em PPC dedicado: Campanhas pagas são um equilíbrio delicado. Por um lado, eles mostram resultados massivos e geram uma quantidade considerável de leads ou clientes potenciais. Por outro lado, eles custam dinheiro. As campanhas devem ser pensadas para garantir que os orçamentos sejam otimizados sem comprometer os resultados. É aqui que ajuda ter um especialista em PPC a bordo. Os especialistas em PPC configuram campanhas em diferentes plataformas ou canais, mantendo o orçamento em mente. Eles sabem quanto gasto em publicidade precisa ser alocado para uma plataforma específica, qual formato de anúncio funciona melhor em uma mídia e quanto podem gastar em uma campanha para mostrar o máximo de resultados sem exagerar. As campanhas são um jogo de números. Ter um especialista que pode calcular números enquanto cria uma estratégia para o próximo anúncio é uma dádiva de Deus para qualquer empresa.
  • Controle sua imagem com relações públicas:  comunicados de imprensa podem ser orgânicos, mas na maioria das vezes, PR e sua distribuição são um esforço pago. Com o tempo, as empresas emergentes testemunharão destaques que são marcos significativos na vida de uma empresa. Espalhar essas notícias por todo o setor melhora a posição, a reputação e a impressão de uma organização. Canais de mídia, plataformas de mídia social, engajamentos pessoais ou figuras públicas que atuam como defensores ajudam a amplificar as notícias e aumentar seu alcance. Ter um profissional de relações públicas designado ajuda as empresas com sua estratégia de RP. Um especialista em relações públicas ajuda a gerenciar a imagem de uma empresa e apresenta uma imagem favorável ao público. Eles também atenuam a imprensa negativa que poderia ser gerada durante uma crise.
  • Investir em marketing de mecanismo de pesquisa pago:  sabemos que o SEO é uma estratégia orgânica de longo prazo. O marketing do motor de pesquisa (SEM) é uma estratégia paga que coloca as listagens promovidas no topo da página de resultados. Quando você “compra um relógio” no Google, pode ver os seguintes resultados:  
O marketing do motor de pesquisa (SEM)

Esses são dois formatos diferentes de SEM. Na parte superior, você vê imagens de diferentes relógios, seus preços e suas avaliações. Eles são chamados de anúncios da lista de produtos (PLAs) . Os PLAs ocupam um espaço valioso (o topo de uma página de resultados) e listam rapidamente os principais detalhes nos quais um cliente estaria interessado. Além disso, esses anúncios são ideais para empresas que visam indivíduos que têm grande intenção de comprar. Observe como a palavra-chave “comprar” no mecanismo de pesquisa resultou em tal PLA. Outras palavras-chave, como oferta ou desconto, também geram resultados semelhantes. 

O segundo link também é um anúncio, mas desta vez não há nenhuma imagem, nenhum detalhe sobre o preço e nenhuma classificação. Ele simplesmente diz “Relógios masculinos ecom desconto…”, seguido por uma breve descrição e links diretos para as páginas do site que os clientes em potencial interessados ​​em comprar algo visitariam. Eles são chamados de anúncios de pesquisa e também aparecem na parte superior da página de resultados. 

Empresas / líderes estabelecidos

Idealmente, as organizações neste nível devem adotar todas as estratégias que abordamos até agora. As empresas neste estágio têm um orçamento confortável para trabalhar e uma equipe de especialistas em marketing supervisionando diferentes aspectos. As campanhas continuarão crescendo em frequência, tamanho e qualidade.

Embora muitos aspectos do marketing digital sejam atendidos, as empresas, nesta fase, devem procurar maneiras de se conectar com seus clientes e públicoalvo em um nível mais pessoal. 

Os clientes ficam automaticamente desconfiados das grandes corporações, pois tudo no final do dia é negócio. À medida que as empresas crescem, elas começam a perder aquele toque humano. Concentrar-se em atividades que agreguem valor ao usuário final é uma ótima maneira de restabelecer essa conexão com o público.

Vejamos algumas coisas que as empresas estabelecidas podem considerar ao projetar sua estratégia de marketing digital.

  • Compartilhando conhecimento com o público por meio de podcasts: Existem vários especialistas em diferentes tópicos que trabalham em uma grande organização. Ter um podcast em que o objetivo é compartilhar esse conhecimento com as partes interessadas faz com que as pessoas sintam que estão recebendo algo valioso. Também dá às pessoas a impressão de que um ser humano real com experiências e ideias tangíveis contribui para o sucesso de uma grande empresa, ao contrário da imagem de um grupo de indivíduos de terno sentado em uma sala de reuniões. Podcasts com formato bem pensado são uma ótima ferramenta de compartilhamento de conhecimento que humaniza as empresas.
  • Fornecendo valor aos clientes por meio de cursos / centro de conhecimento online: Grandes empresas teriam aprendido muitas coisas ao longo do caminho. Eles também vendem uma variedade de produtos, soluções, serviços ou plataformas elaborados. A criação de uma série de guias é uma forma de ajudar os usuários finais a extrair valor de suas compras. Mas as empresas que têm algum orçamento de sobra devem considerar investir em um centro de aprendizagem. As empresas podem criar centros de conhecimento ou academias com pequenos tutoriais em vídeo sobre todos os aspectos de um tópico ou produto da empresa. Esses vídeos podem ser compartilhados online e ajudam a espalhar a palavra.

    Além disso, esses centros de conhecimento podem ter cursos de certificação online sobre tópicos relacionados ao setor em que a empresa atua ou capacitar os usuários a serem qualificados no produto da empresa. As pessoas adoram compartilhar seus certificados em plataformas de mídia social como o LinkedIn. Isso anuncia o curso de certificação da empresa e aumenta seu valor gratuitamente. Além disso, as certificações fazem os usuários sentirem que ganharam algo e colocam a empresa em uma boa luz.

O marketing digital não é sobre o meio; é sobre construir relacionamentos

Muitos são os motivos pelos quais uma empresa de qualquer porte deve adotar estratégias de marketing digital para seus negócios. É orientado por dados, o que o torna preciso, quantificável e justificável. Mas o maior motivo pelo qual uma organização deve olhar para o marketing digital é sua capacidade inata de fornecer personalização . 

O marketing digital não é uma forma inovadora de fazer marketing. Apenas o meio mudou; os princípios permanecem os mesmos. Em sua essência, o marketing deve ressoar com o público e capacitá-lo com informações suficientes para concluir uma conversão.

Quer seja uma empresa grande com um orçamento para trabalhar ou pequena que precise ser econômica com seus gastos com marketing, existe uma estratégia de marketing digital disponível para todos. 

Veja quais são os requisitos imediatos da sua empresa e estabeleça os detalhes das metas de negócios. Identificar qual estratégia de marketing digital você precisa em cada estágio do funil é metade da batalha. O marketing digital nivelou o campo de jogo para empresas de todos os tamanhos. Qualquer pessoa pode ganhar o jogo digital, desde que tenha suas estratégias em vigor.