Como criar sites focados em conversão usando Lei de Fitts e Lei de Hick

Você sabia que com a utilização de algumas técnicas simples de design, podemos criar sites capazes de gerar alto nível de conversão? Duas dessas técnicas que podemos citar são a Lei de Fitts e a Lei de Hick

Ambas já são usadas há muito tempo por designers e se baseiam em princípios da ergonomia e da interação do homem com o computador. 

Já conhece essas leis e sabe o que cada uma delas diz? No post de hoje a gente explica cada uma e te conta como você pode aplicá-las na criação de sites que realmente sejam capazes de converter. 

Ficou interessado (a)? Continue a leitura!

Lei de Fitts e lei de Hick: o que são

A Lei de Fitts e a Lei de Hick são fórmulas matemáticas que predizem a relação entre o tempo e o grau de dificuldade levado para executar uma ação e a tomada de decisão. 

Entenda o que cada uma delas diz a seguir:

Lei de Fitts

A Lei de Fitts recebe esse nome graças ao psicólogo norte americano Paul Fitts.

Segundo ele, quanto menor e mais  distante estiver um objeto, mais demorada será a tomada de decisão do usuário. 

Quando aplicada a criação de sites e interfaces web, a lei aponta que se o usuário precisar percorrer por um longo espaço da página antes de encontrar um botão, e se este botão ainda for pequeno, menores são as chances de que o usuário clique. 

Lei de Hick

Já a Lei de Hick – ou lei de Hick–Hyman – foi formulada por William Edmund Hick e Ray Hyman, psicólogos britânico e norte americano, respectivamente.

A Lei de Hick aponta que o tempo levado para tomar uma decisão é diretamente influenciado pelo número de opções disponíveis. Quanto mais opções disponíveis, mais tempo levamos para nos decidirmos. 

Assim como nos cardápios de restaurante, quanto maiores forem, mais difícil de escolher o que comer. 

UX e UI design

Podemos nos basear nessas leis para tornar o processo de design mais assertivo e criar sites, entre outras interfaces como landing pages, capazes de aumentar o número de conversões e captação de leads. 

Especialmente em uma época em que o UX design (User Experience) e em UI design (User Interface) são tão valorizados. O primeiro diz respeito experiência do usuário durante e após usar um produto ou serviço digital.

Já o segundo tem a ver com a criação de interfaces pensando no usuário, se preocupando em guiá-lo por uma interface até que ele conclua uma ação, como o fornecimento de dados para contato, por exemplo. 

As leis de Fitts e Hick e o design 

Pela Lei de Fitts, a melhor estratégia para ampliar as chances de conversão de um site é: investir em botões grande e chamativos, logo na página inicial. 

Assim já deixamos claro qual deve ser a ação tomada pelo usuário ao entrar no site e ele não precisa percorrer páginas e páginas para fazer um contato, por exemplo. 

Aliado a isso, podemos melhorar ainda mais o layout, pensando no princípio de Hick. Seguimos a Lei de Fitts e fizemos botões grandes e facilmente acessíveis. Mas nada disso adianta se colocarmos vários botões, pois eles podem afastar o usuário do real objetivo. 

O usuário não deve ter muitas opções. Um único botão grande e chamativo, deve ser suficiente para garantir a geração de um lead ou um produto no carrinho. 

E no design responsivo?

Estendendo um pouco mais, podemos pensar na aplicação dessa técnicas para o design responsivo, que é aquele que trabalha para que os sites e aplicações se adaptem bem a qualquer dispositivo, independente do tamanho da tela. 

Quando tratamos de dispositivos móveis a importância de ter um layout bem estruturado para conversão cresce ainda mais. 

Especialmente se levarmos em conta que 71 milhões de pessoas no Brasil acessam a internet apenas pelo celular, representando cerca de 56% do total de 126,9 milhões de usuários de Internet no país. 

Outros 51 milhões, cerca de 40% acessam tanto pelo celular quanto por desktop. De toda forma, é uma parcela muito grande que não pode ser deixada de lado, o que faz do design responsivo algo essencial. 

Em geral, durante o uso dos celulares as tomadas de decisão do usuário passam a ser muito mais rápidas. E é muito provável que um usuário desista de uma compra se o site da empresa não abrir rápido ou bem o suficiente no seu smartphone. 

Para isso, devemos seguir  os dois princípios básicos no design responsivo: criar layouts  acessíveis e que e não dêem muitas opções. 

Se a Lei de Fitts diz sobre a influência das distâncias e do tamanho na tomada de decisão, no celular isso fica ainda mais evidente. Imagine um botão de contato que fica no alto da tela do celular logo ao lado de um botão de menu? 

Isso o torna praticamente inacessível durante o uso do celular com uma mão só. Ainda mais em celular com telas grandes, como a maioria dos modelos atuais. Portanto, o mais interessante é criar um botão de tamanho razoável e que fique posicionado na parte inferior da tela. Assim ele fica acessível e facilmente clicável. 

A mesma ideia de Hick da versão do site para desktop continua valendo no celular. Não utilize mais de dois botões fixos na parte inferior da tela. Mais opções que isso pode deixar o usuário indeciso e atrapalhar a conversão. 

As aplicações das Leis de Fitts e Hick até os dias de hoje ainda abrem espaço para muito estudo, mas com essas dicas simples, você já pode melhorar as chances de conversão de seu site. 

E então, o que achou do nosso conteúdo sobre as leis de Fitts e Hick aplicadas ao design UX e UI? Deixe um comentário abaixo contando o que achou e vamos bater um papo!

Se quiser mais dicas e conteúdo como este, é só ficar de olho no nosso blog. Estamos sempre trazendo coisas novas.

Afinal de contas, somos especialista na criação e otimização de sites. Entre em contato e saiba mais sobre o nosso trabalho.

Até a próxima!



nayara

nayara

Sou designer de interfaces e completamente apaixonada pelo que faço. Gosto de livros e de gatos. Acredito na filosofia para abrir a mente e claro, café, muuuuuito café, para mantê-la funcionando.

Comentários